Cuiabá, 25 de Setembro de 2018

NO CENTRO DA DISCUSSÃO

Domingo, 07 de Janeiro de 2018, 10h:22 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Matéria na Folha de SP diz sobre futuro incerto de Taques e sobre seu ataque contra a corrupção

Folha de São Paulo

(Foto: Reprodução/Web)

Taques e Nilson.jpg

 

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), ex-procurador que ganhou destaque por combater a corrupção, entra no último ano de mandato com seu futuro político incerto, após denúncias sobre seu governo. A tentativa de reeleição dependerá da colaboração de poucos aliados que o tucano ainda tem. Caso contrário, poderá disputar novamente uma cadeira no Senado.

 

Em 2015, Taques ganhou projeção nacional ao ser o primeiro governador a apoiar o impeachment de Dilma Rousseff. Em seguida, deixou o PDT e se filiou ao PSDB tendo o então presidente do partido, Aécio Neves, como um dos principais apoiadores.

 

Taques tem como padrinho político o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), que deve ser peça fundamental em 2018.

 

Ex-procurador da República, Taques ingressou na política após ter se destacado em casos de combate a corrupção ao crime organizado. Em 2002, assinou o pedido de prisão que levou o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) à cadeia.

 

Também liderou as investigações que resultaram na Operação Arca de Noé em Mato Grosso, com a prisão do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, então chefe do crime organizado no Estado.

 

Após passar anos sob escolta policial, Taques deixou a carreira em 2009 para disputar o Senado em 2010 e, após quatro anos, o governo. Venceu nas duas.

 

CAIXA DOIS

 

Após três anos de governo, Taques se tornou alvo da delação do ex-governador pelo PMDB Silval Barbosa. Hoje em prisão domiciliar, Barbosa disse em depoimento que houve caixa dois em 2014 na eleição do atual governador e que liberou R$ 10 milhões para a campanha do hoje tucano.

 

Taques falou na época que o delator foi seu adversário político e que hoje tenta "fazer vingança pessoal". O governador também viu seu nome ser envolvido em um suposto esquema de fraudes em licitações na Secretaria da Educação de Mato Grosso, com pagamento de propina de empresários com o objetivo de quitar dívidas de campanha.

 

O caso, revelado em 2016, levou o ex-secretário Permínio Pinto para a cadeia.

 

Recentemente Taques se tornou investigado pelo Superior Tribunal de Justiça por conta do chamado "escândalo dos grampos", que envolvia uma central de interceptações telefônicas clandestinas contra adversários políticos, advogados, jornalistas e magistrados.

 

Ele nega ter cometido qualquer irregularidade e defendeu a investigação para que o assunto seja esclarecido.

 

Na administração pública, o governador do PSDB também vem enfrentando percalços com os servidores.

 

A crise financeira do Estado fez com que os salários dos funcionários fossem escalonados por alguns meses, após 20 anos de pagamento em dia.

 

À reportagem Pedro Taques evitou falar sobre as eleições deste ano. O assunto, diz, só será discutido por ele a partir de março. "Atualmente sou candidato a ser um bom governador para o meu Estado". (Pablo Rodrigo - Folha de SP)

 

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Agosto 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br